ARLA/CLUSTER: 200 Entidades DXCC com uma cana de pesca.

Pedro Ribeiro cr7abp gmail.com
Quinta-Feira, 24 de Março de 2011 - 12:43:04 WET


Eu diria que sendo basicamente uma "random-wire" que se quer 
multi-banda, ela não pode estar muito perfeita/ressonante em nenhuma 
frequencia pretendida porque aí teria impedância demasiado baixa nessa 
frequência e ao sofrer a transformação de impedância do unun 1:9 (ou 
1:10) irá apresentar ao transceptor uma impedância demasiado baixa para 
qualquer eficiência aceitável ou sequer compensação do ATU local.

A situação equilibrada será conseguir para a maioria das bandas uma 
impedância entre as centenas de ohm e o 1kohm, a compensação capacitiva 
ou indutiva terá de ser o ATU a fazer. Evitar dentro do possível que o 
comprimento represente 1/4 onda (ou mútiplos ímpares) dentro de uma das 
faixas pretendidas, aí terá a impedância demasido baixa para após UNUN o 
ATU conseguir adaptar, curiosamente ela irá ressoar a 1/2 onda 
impedância de alguns kohm mas esta zona não interessa pois a impedância 
varia muito rapidamente o que significa banda útil muito estreita e 
mesmo nesse caso a impedância após UNUN será talvez demasiado elevada 
ainda para o ATU conseguir adaptar.

De notar que quando falo em ATU assumo ser um adaptador de impedância 
junto ao transceptor e não um "Antenna Coupler" que quando instalado 
entre o cabo e antena diretamente consegue ter muito maior versatilidade 
de adaptação e quando o consegue evita por completo as perdas associadas 
ao SWR no cabo.

O comprimento exato terá de ser experimentalmente testado para favorecer 
as bandas que mais interessarem.

Têm aparecido por aí frequentemente discussões sobre "longwires" que 
acho se aplicam ao caso como o recente "ARLA/CLUSTER:  Qual o tamanho 
mínimo para a sua "longwire"...?"

Nota: Opinião de aprendiz, já vi a resposta que o Renato deu entretanto, 
enquanto escrevia isto, sei que não é propriamente coincidente, vamos 
ver o que ele acha da minha; ele é um aprendiz "de carreira", domina 
isto muito melhor que eu.

73!

On 24-03-2011 10:56, Alcides Sousa wrote:
> *Bom dia,*
> **
> *Tenho lido com atenção e curiosidade o que aqui tem sido postado 
> sobre o tema "Cana de Pesca".*
> *Tenho 1986 QSO´s efectuados com uma cana de pesca de 8,5 metros, para 
> todo o mundo, sem estacionárias e com sintonia em todas as bandas.*
> *Sobre o mesmo tema, transcrevo um excerto da intervenção do colega 
> Renato Encarnação:*
> *"Mas se a antena estiver demasiado curta (carga mais capacitiva) ou 
> demasiado longa (carga mais indutiva), as perdas, tanto no cabo 
> coaxial, tanto no tuner, tanto até na própria antena, aumentarão."*
> **
> *Agradeço ao colega Renato que, já agora, me dissesse o que julga ser 
> o tamanho, comprimento ideal para uma antena deste tipo.*
> *73*
> *Alcides Sousa - CT1JQK*
> **
> **
> **
> **
> **
> **
> 2011/3/23 João Costa > CT1FBF <ct1fbf  gmail.com <mailto:ct1fbf  gmail.com>>
>
>     Boa Noite Pedro Madeira, CT2JQB.
>
>     Os parabéns devem ser endereçados completamente ao autor da proeza, o
>     nosso colega Rodrigo Nunes (CT1FOQ), e não a mim.
>
>     Limitei-me simplesmente a relatar, o que quanto a mim é um
>     extraordinário feito, nas condições técnicas em que foi conseguido.
>     Realço que, independentemente das condições, o que fica aqui bem
>     patente é a enorme vontade e a inabalável determinação do Rodrigo em
>     conquistar objetivos, aparentemente difíceis de alcançar, atendendo às
>     suas múltiplas limitações.
>
>     Quanto às questões que colocas, começo-te por dizer que cada caso é um
>     caso e só através de muitas experiências no local se conseguem
>     efetivamente melhorar os resultados. Assim, aqui vai a minha opinião
>     que  será sempre sempre genérica, recorrendo às minhas próprias
>     experiências:
>
>     1º - Convinha que aumentasses mais o tamanho do fio emissor,  ao invés
>     de o esticares dentro da cana, enrola-lo à sua volta. O CT1FOQ está a
>     trabalhar com 10m o que na sua situação lhe permite "acertar" a
>     relação das ondas estacionarias recorrendo a um sintonizador de antena
>     automático, inclusive na banda dos 40m. Um sintonizador de antena
>     manual permite sempre acoplar uma maior diferença de impedâncias que o
>     automático, dá é muito mais trabalho a afinar. Quanto ao tamanho do
>     fio emissor, este depende muito das bandas que queres operar; não te
>     esqueças que 1/4 de onda para a banda dos 80m são sensivelmente 20
>     metros .
>
>     2º - Tão e na minha opinião, mais importante que o fio emissor, é
>     arranjares um bom plano de terra. Independentemente da solução por ti
>     encontrada, de um só eléctrodo  espetado no quintal, que não sabes na
>     pratica a sua eficiência, pois necessitavas de medir a efetiva
>     resistência de terra. Uma boa solução pratica para a melhorar, é sem
>     duvida aquilo que o CT1FOQ adoptou,  uma serie de condutores cortados
>     a 1/4 de onda a fazer de terra artificial que vão ligar ao
>     sintonizador de antena ou mesmo ao transceptor. Aqui não á que
>     enganar, quantos mais radiais para as diferentes bandas, sempre
>     melhor.
>
>     3º- Testar o Balun ou o Unum com uma analisador, por exemplo da MFJ,
>     para verificar a efetiva relação de impedâncias.
>
>     Isto são em traços muito gerais, as minhas sugestões, voltando-te a
>     recordar que cada caso é caso e só através de exaustivas experiências
>     se podem melhorar os resultados práticos.
>
>     João Costa, CT1FBF
>
>
>
>     ARLA/CLUSTER: 200 Entidades DXCC com uma cana de pesca.
>     pedro_transistor sapo.pt <http://sapo.pt/> pedro_transistor
>     sapo.pt <http://sapo.pt/>
>     Quarta-Feira, 23 de Março de 2011 - 21:03:35 WET
>
>     --------------------------------------------------------------------------------
>
>
>     Boa noite caro João,
>
>     desde já dou-lhe os meus parabéns por ter conquistado o que tanto
>     desejava! O meios que se usam são importantes mas penso que o mais
>     importante será vencer!
>
>     Gostava de pedir a sua ajuda porque tenho andado a construir uma
>     antena cana de pesca, que ao fim ao cabo é uma longwire na vertical
>     (penso eu). Lendo com atenção um projecto que alguém me enviou á uns 2
>     anos, construí o balun com uma toroide Amidon-T-200-2 e 14 voltas de
>     fio de 2 condutores paralelos (usei cabo de audio com cobre banhado a
>     prata de 1,30mm2). Estiquei os 7,60m de fio dentro da cana de pesca,
>     tal como indicam no projecto, e montei a antena no tubo do estendal no
>     quintal, a cerca de 2 metros do chão. Liguei ao terminal de plano de
>     terra da antena o cabo do eléctrodo que tenho espetado no chão do meu
>     quintal e liguei o cabo coaxial ao balun (usei o Heliax 1/2" que era o
>     único que tinha disponível na garagem).
>
>     Fui para casa exprimentar a antena e nas várias bandas desde os 40m
>     até aos 10m as estacionárias andam entre 3:1 e 5:1, dependendo da
>     banda, e não percebo porquê! Tudo bem que posso usar o antenna tuner
>     mas com um desacoplamento tão grande vou ter bastante potência a ficar
>     no antenna tuner...Será que me pode dar uma ajudinha?
>
>     Os meus cumprimentos 73
>
>     Pedro Madeira
>     CT2JQB
>
>
>     _______________________________________________
>     CLUSTER mailing list
>     CLUSTER  radio-amador.net <mailto:CLUSTER  radio-amador.net>
>     /cluster/listinfo/cluster
>
>
>
> _______________________________________________
> CLUSTER mailing list
> CLUSTER  radio-amador.net
> /cluster/listinfo/cluster


-- 
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=
QRA: Pedro Ribeiro // Callsign: CR7ABP // GRID Locator: IM58mr
QTH: São Francisco, Alcochete, Portugal
Homepage: http://www.qrz.com/db/CR7ABP
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=
# HAM operation very limited by class 3 rules until April 2012  #
=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=-=

-------------- próxima parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: /cluster/attachments/20110324/caac5ba3/attachment.html


Mais informações acerca da lista CLUSTER