ARLA/CLUSTER: HOMENAGEM A CT4CD

João Gonçalves Costa joao.a.costa ctt.pt
Quarta-Feira, 5 de Agosto de 2009 - 14:51:47 WEST


Caro António Gamito, CT1CZT

Uma bonita e muito sentida homenagem de um amigo a outro que partiu.

Os meus mais sinceros agradecimentos, como homem,  radioamador e moderador deste fórum, ao António Gamito, CT1CZT por estas suas palavras, a se me permites me associo, à memoria do nosso querido e estimado AMIGO,  Guilherme Forno, CT4CD.

Quem tem destes amigos, vive para sempre.

João Costa, CT1FBF

________________________________
De: cluster-bounces  radio-amador.net [mailto:cluster-bounces  radio-amador.net] Em nome de Antonio Gamito
Enviada: quarta-feira, 5 de Agosto de 2009 14:34
Para: Resumo Noticioso Electrónico ARLA
Assunto: ARLA/CLUSTER: HOMENAGEM A CT4CD

GUILHERME FORNO - CT4CD - O  RADIOAMADOR - O RADIOTELEGRAFISTA



Gostaria de começar a minha singela homenagem a um amigo que acaba de passar a Silent Key, com uma alusão à frase: "Fuzileiro uma vez , Fuzileiro para sempre". De facto o Guilherme (CT4CD) não era Fuzileiro. Mas era RADIOTELEGRAFISTA. Sim. Radiotelegrafista com maiúsculas. Daqueles que já rareiam. Daqueles que não precisam papel para anotar o que escutam. Disso se lhe ocupava a memória auditiva. Daqueles que "Radiotelegrafista uma vez, Radiotelegrafista para sempre". O radioamadorismo ficou mais pobre. Eu perdi um amigo. O NRA perdeu um sócio. O CW perdeu um exímio praticante. Um radiotelegrafista que durante grande parte da sua vida, encurralado em Bunkers, recintos fechados ou isolados compartimentos de bordo, contribuiu anonimamente para a salvaguarda de centenas de vidas humanas no mar. Um entre milhares de radiotelegrafistas anónimos que pela sua mão e ouvido, conduziram operações de socorro e salvamento marítimo (SOS), salvando vidas e dando esperança àqueles que no desconforto da revolta das ondas, viviam a eminência do naufrágio.

Retirado da vida activa, continuou com perícia dando uso àquela que sempre foi a sua grande amiga nas horas de tempo livre. A chave de morse.

Lembro-me da última vez que, já bastante debilitado pela doença, conversámos. Ofereceu-me a sua estimada chave de morse, dizendo-me: Dá-lhe uso. E com as lágrimas em queda, disse:

"Já não sou mais radiotelegrafista".

Foram as últimas palavras que dele ouvi.


António Gamito
 CT1CZT
-------------- próxima parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: /cluster/attachments/20090805/18e60e59/attachment.htm


Mais informações acerca da lista CLUSTER