ARLA/CLUSTER: O fim do petróleo - O grande desafio do século XXI

Carlos Pinheiro karlus.pinheiro gmail.com
Quarta-Feira, 7 de Novembro de 2007 - 09:37:32 WET


Para meditar… li o livro citado e fiquei deveras preocupado… pelos vistos a
actual escalada de preços do petróleo, veio para ficar…

 Embora este tema não esteja directamente relacionado com telecomunicações,
está-o com as energias alternativas de que necessitamos urgentemente !!!

O petróleo é um recurso crucial; é fácil de transportar e de ser conservado
sem se degradar; pode ser bombeado através de condutas; pode ser refinado
para dar origem a outros tipos de combustível (gasolina, gasóleo, querosene,
petróleo, combustível de aviação, etc.); armazena uma quantidade enorme de
energia; está na base de quase todas as comodidades e vantagens da nossa
vida, graças ao seu abastecimento fiável e barato, até inclusivamente, para
a obtenção de formas alternativas de energia, nomeadamente a nuclear. Mal
grado esta enorme dependência pensa-se pouco na situação; geralmente, apenas
quando há crises petrolíferas e os preços sobem.
A indústria petrolífera moderna é relativamente recente; foi lançada há
menos de dois séculos, em 1859, quando foi descoberto petróleo, na
Pensilvânia, a apenas 20 metros de profundidade. Quantas mais décadas vai
durar nos termos actuais é questão para a qual há várias estimativas, mas
nenhuma garantidamente segura; a única certeza é a de que, tratando-se de
uma forma de energia não renovável, irá acabar um dia.
Segundo os mais credíveis estudos, o momento em que se completará a
extracção de metade da totalidade das existências, também designado por
"pico global de produção" foi previsto para o período entre 2000 e 2008. A
partir daí tudo se começará a complicar, embora ainda havendo muito petróleo
no solo; o que foi extraído até então era o que estava mais acessível, o que
era economicamente mais rentável, o de melhor qualidade e mais facilmente
refinável. A rentabilidade do processo - a relação entre a energia investida
para a sua obtenção e a energia obtida com o produto recolhido - tornar-se-á
cada vez menos atractiva.
Não será possível prever com rigor o momento do pico, mas calcula-se que
acontecerá inevitavelmente neste século; surgirá certamente mais cedo do que
o previsto alguns anos atrás se a procura continuar a aumentar com o
crescimento económico das economias dos dois países mais populosos do mundo
(chinesa e indiana). No entanto, esse pico não será imediatamente
identificável; só será visível depois de ter passado, eventualmente apenas
anos depois, ao longo de um período de travessia de uma espécie de um
planalto com altos e baixos, em que os preços oscilarão inconclusivamente,
em que os mercados viverão alguma turbulência e em que poderá começar a
haver indícios de agitação militar. Será uma espécie de período intermédio,
em que a distribuição poderá ter que passar a ser selectiva, para garantir
principalmente os melhores clientes, isto é, os que puderem pagar mais; por
essa altura começará a haver indícios de instabilidade nas economias e
mercados. Depois a produção petrolífera declinará de forma acentuadamente
crescente e virá a estagnação económica;  a austeridade instalar-se-á por
toda a parte, mas em especial entre as populações que construíram o seu modo
de vida à volta da disponibilidade de petróleo barato.
Para quem tenha dificuldade em visualizar este desfecho, recorda-se que,
nalgumas zonas, o pico já foi atingido; é o caso, por exemplo dos EUA que,
segundo alguns geólogos, terão tido o pico de produção entre 1966 e 1972.
Por essa altura, os EUA extraíam 11,3 milhões de barris por dia (6 milhões
em 2004); de maior produtor e exportador a nível mundial durante grande
parte do século XX, ("no início da segunda Guerra Mundial literalmente
afogados em petróleo") passaram, a partir daí, a depender de importações que
nunca mais pararam de aumentar.
Para alguns mais optimistas, o engenho técnico do homem superará as
limitações da realidade geológica do mundo, fazendo aparecer alternativas ao
petróleo. Segundo estes, a identificação do pico do petróleo não vai
interessar porque os sinais de mercado encarregar-se-ão de desencadear
oportunamente a criação de novas tecnologias para produção de energias
alternativas ou novas formas de extrair reservas que se julgavam não
rentáveis economicamente.
Porém, nada nos garante, bem pelo contrário, que a transição se processará
de forma tão suave. Na verdade, "com base em tudo o que sabemos até agora,
nenhuma combinação dos chamados combustíveis alternativos nos permitirá
manter o nível de vida a que nos habituámos". Nem mesmo o "sonho do
hidrogénio", que Bush veio prometer no discurso da União em 2003, mas que,
na realidade, não é mais do que uma fantasia risível que tem a agravante de
levar as pessoas a pensarem que não há razões de preocupação quanto ao
futuro.
Sem as enormes quantidades de petróleo barato que os EUA, e os países
ocidentais que os seguem de próximo, têm desbaratado com a construção do
actual esquema de vida, muita coisa terá que, inevitavelmente, mudar; logo a
começar, ficará em causa a possibilidade de manter os enormes investimentos
feitos na expansão suburbana, implicando um gasto enorme de petróleo em
meios de transporte para as deslocações diárias para o trabalho (a opção de
estilo de vida para mais de metade da população americana). Tal como as
grandes herdades e as grandes empresas, as grandes cidades, concebidas
essencialmente à volta do automóvel, deixarão de corresponder a um estilo de
vida que, necessariamente, terá uma escala mais reduzida. O nosso mundo do
dia-a-dia será definido em função das distâncias que possamos percorrer a
pé. Desaparecerá o consumismo selvagem; a reparação e revenda de bens
voltarão a ter uma enorme importância, aliás como acontecia há alguns anos
atrás.
A economia não poderá continuar a centrar-se nas actividades actuais; terá
que se virar muito mais para a agricultura, que exigirá muito mais
mão-de-obra; voltaremos ao passado. Não podendo usufruir das actuais
disponibilidades de transporte, não será possível manter as mesmas cadeias
de abastecimento; no campo da alimentação, tornar-se-á impossível manter um
fluxo constante de abastecimento ao longo do ano de todos os tipos de
alimentos e, obviamente, os preços subirão. Voltar-se-á a recorrer, como no
passado, a animais de trabalho por não se dispor de energia abundante e
barata para fazer funcionar as máquinas que tinham permitido poupar
mão-de-obra (1,6% da população a trabalhar presentemente na agricultura, nos
EUA, contra 30% há cem anos).
É ainda possível que a falta de petróleo provoque uma agitação política de
perspectivas extremamente sombrias. Veja-se o que aconteceu com os choques
petrolíferos da década de setenta e o seu impacto nas economias, com uma
subida geral de preços em flecha e reduções substanciais dos rendimentos
pessoais.

***

O petróleo é um recurso crucial; é fácil de transportar e de ser conservado
sem se degradar; pode ser bombeado através de condutas; pode ser refinado
para dar origem a outros tipos de combustível (gasolina, gasóleo, querosene,
petróleo, combustível de aviação, etc.); armazena uma quantidade enorme de
energia; está na base de quase todas as comodidades e vantagens da nossa
vida, graças ao seu abastecimento fiável e barato, até inclusivamente, para
a obtenção de formas alternativas de energia, nomeadamente a nuclear. Mal
grado esta enorme dependência pensa-se pouco na situação; geralmente, apenas
quando há crises petrolíferas e os preços sobem.
A indústria petrolífera moderna é relativamente recente; foi lançada há
menos de dois séculos, em 1859, quando foi descoberto petróleo, na
Pensilvânia, a apenas 20 metros de profundidade. Quantas mais décadas vai
durar nos termos actuais é questão para a qual há várias estimativas, mas
nenhuma garantidamente segura; a única certeza é a de que, tratando-se de
uma forma de energia não renovável, irá acabar um dia.
Segundo os mais credíveis estudos, o momento em que se completará a
extracção de metade da totalidade das existências, também designado por
"pico global de produção" foi previsto para o período entre 2000 e 2008. A
partir daí tudo se começará a complicar, embora ainda havendo muito petróleo
no solo; o que foi extraído até então era o que estava mais acessível, o que
era economicamente mais rentável, o de melhor qualidade e mais facilmente
refinável. A rentabilidade do processo - a relação entre a energia investida
para a sua obtenção e a energia obtida com o produto recolhido - tornar-se-á
cada vez menos atractiva.
Não será possível prever com rigor o momento do pico, mas calcula-se que
acontecerá inevitavelmente neste século; surgirá certamente mais cedo do que
o previsto alguns anos atrás se a procura continuar a aumentar com o
crescimento económico das economias dos dois países mais populosos do mundo
(chinesa e indiana). No entanto, esse pico não será imediatamente
identificável; só será visível depois de ter passado, eventualmente apenas
anos depois, ao longo de um período de travessia de uma espécie de um
planalto com altos e baixos, em que os preços oscilarão inconclusivamente,
em que os mercados viverão alguma turbulência e em que poderá começar a
haver indícios de agitação militar. Será uma espécie de período intermédio,
em que a distribuição poderá ter que passar a ser selectiva, para garantir
principalmente os melhores clientes, isto é, os que puderem pagar mais; por
essa altura começará a haver indícios de instabilidade nas economias e
mercados. Depois a produção petrolífera declinará de forma acentuadamente
crescente e virá a estagnação económica;  a austeridade instalar-se-á por
toda a parte, mas em especial entre as populações que construíram o seu modo
de vida à volta da disponibilidade de petróleo barato.
Para quem tenha dificuldade em visualizar este desfecho, recorda-se que,
nalgumas zonas, o pico já foi atingido; é o caso, por exemplo dos EUA que,
segundo alguns geólogos, terão tido o pico de produção entre 1966 e 1972.
Por essa altura, os EUA extraíam 11,3 milhões de barris por dia (6 milhões
em 2004); de maior produtor e exportador a nível mundial durante grande
parte do século XX, ("no início da segunda Guerra Mundial literalmente
afogados em petróleo") passaram, a partir daí, a depender de importações que
nunca mais pararam de aumentar.
Para alguns mais optimistas, o engenho técnico do homem superará as
limitações da realidade geológica do mundo, fazendo aparecer alternativas ao
petróleo. Segundo estes, a identificação do pico do petróleo não vai
interessar porque os sinais de mercado encarregar-se-ão de desencadear
oportunamente a criação de novas tecnologias para produção de energias
alternativas ou novas formas de extrair reservas que se julgavam não
rentáveis economicamente.
Porém, nada nos garante, bem pelo contrário, que a transição se processará
de forma tão suave. Na verdade, "com base em tudo o que sabemos até agora,
nenhuma combinação dos chamados combustíveis alternativos nos permitirá
manter o nível de vida a que nos habituámos". Nem mesmo o "sonho do
hidrogénio", que Bush veio prometer no discurso da União em 2003, mas que,
na realidade, não é mais do que uma fantasia risível que tem a agravante de
levar as pessoas a pensarem que não há razões de preocupação quanto ao
futuro.
Sem as enormes quantidades de petróleo barato que os EUA, e os países
ocidentais que os seguem de próximo, têm desbaratado com a construção do
actual esquema de vida, muita coisa terá que, inevitavelmente, mudar; logo a
começar, ficará em causa a possibilidade de manter os enormes investimentos
feitos na expansão suburbana, implicando um gasto enorme de petróleo em
meios de transporte para as deslocações diárias para o trabalho (a opção de
estilo de vida para mais de metade da população americana). Tal como as
grandes herdades e as grandes empresas, as grandes cidades, concebidas
essencialmente à volta do automóvel, deixarão de corresponder a um estilo de
vida que, necessariamente, terá uma escala mais reduzida. O nosso mundo do
dia-a-dia será definido em função das distâncias que possamos percorrer a
pé. Desaparecerá o consumismo selvagem; a reparação e revenda de bens
voltarão a ter uma enorme importância, aliás como acontecia há alguns anos
atrás.
A economia não poderá continuar a centrar-se nas actividades actuais; terá
que se virar muito mais para a agricultura, que exigirá muito mais
mão-de-obra; voltaremos ao passado. Não podendo usufruir das actuais
disponibilidades de transporte, não será possível manter as mesmas cadeias
de abastecimento; no campo da alimentação, tornar-se-á impossível manter um
fluxo constante de abastecimento ao longo do ano de todos os tipos de
alimentos e, obviamente, os preços subirão. Voltar-se-á a recorrer, como no
passado, a animais de trabalho por não se dispor de energia abundante e
barata para fazer funcionar as máquinas que tinham permitido poupar
mão-de-obra (1,6% da população a trabalhar presentemente na agricultura, nos
EUA, contra 30% há cem anos).
É ainda possível que a falta de petróleo provoque uma agitação política de
perspectivas extremamente sombrias. Veja-se o que aconteceu com os choques
petrolíferos da década de setenta e o seu impacto nas economias, com uma
subida geral de preços em flecha e reduções substanciais dos rendimentos
pessoais.

***

A tese, atrás resumida, sobre o fim próximo do petróleo e as implicações
sociais, políticas e económicas que daí resultarão, não é minha; pertence a
James Howard Kunstler, autor de três ensaios e nove romances, e com artigos
publicados no The Atlantic Monthly e o The New York Times Magazine. Está
desenvolvida no seu recente livro com o título "The Long Emergency –
Surviving the Converging Catastrophes of the Twenty-First Century"[1].
É uma visão algo catastrófica que é interessante comparar com as
perspectivas, geralmente optimistas, de que serão encontradas soluções
energéticas alternativas. Um recente relatório da União Europeia sobre a
"Segurança Energética e a Cooperação Transatlântica", que assume claramente
a realidade do mundo pós-petróleo, no Século XXI, aponta para um futuro bem
diferente: que a Europa em 2010 estará já apta a satisfazer 12% das suas
actuais necessidades energéticas e cobrir mais de 20% da procura de
electricidade através de energias renováveis.
Curiosamente, em relação às potencialidades do hidrogénio – que, como vimos
acima, James Kunstler recusa liminarmente - o relatório europeu aponta a
European Hydrogen & Fuel Cell Technology Plataform de 2004, como o
projecto-demonstração mais bem-sucedido no mundo, permitindo um sistema
público de transportes, sem emissões nem ruído, de que já beneficiam 3
milhões de europeus. Energia eólica e os bio-combustíveis, entre outras
formas de energia, são também apontados como histórias de sucesso, a
contribuir crescentemente para a redução da nossa dependência do petróleo.
Ninguém pode garantir, para já, quem está mais perto da realidade futura: se
James Kunstler, com a sua visão extremamente pessimista, se os crentes
confessos de que as energias alternativas, presentemente sob investigação e
desenvolvimento, irão preencher a lacuna resultante do esgotamento das
reservas petrolíferas. Por esta razão é que o livro de Kunstler é oportuno e
merecedor de leitura por parte de quem se interessa por este assunto,
certamente um dos maiores desafios que nos esperam ao longo deste século. No
mínimo, é um excelente contributo para lembrar a indispensabilidade de
investir mais na procura de novos recursos energéticos.
Da minha parte, tenho uma certeza: a de que o tema da segurança energética –
entendida como garantia de acesso, em condições razoáveis de preço, a fontes
de energia - veio para ficar como uma questão central que já está e vai
continuar a dominar as relações internacionais.

*[1] Título em português: "O Fim do Petróleo – O Grande Desafio do Século
XXI".*


Carlos Pinheiro

CT1PT
-------------- próxima parte ----------
Um anexo em HTML foi limpo...
URL: /cluster/attachments/20071107/748e02ea/attachment.html


Mais informações acerca da lista CLUSTER